21 de mar de 2014



Agricultores do município de Felipe Guerra/RN, são esquecidos pela administração construindo e inovando. 

 
Agricultura é o conjunto de técnicas utilizadas para cultivar plantas com o objetivo de obter alimentos, fibras, energia, matéria-prima para roupas, construções, medicamentos, ferramentas, ou apenas para contemplação estética. No entanto, a agricultura praticada no município de Felipe Guerra/RN, é a de subsistência, ou seja, é aquela que produz alimento suficiente para as necessidades do proprietário da terra, e sua família.




A Prefeitura de Felipe Guerra/RN, outrora, através da Secretaria Municipal de Agricultura realizava o corte de terras de várias famílias de todas as comunidades rurais, onde naquela época cada agricultor era beneficiado com 02 (duas) horas de trator.




Contudo, o que se observa é que já estamos no final de Março de 2014, e o município ainda não demonstrou qualquer interesse em disponibilizar para o agricultor as 02 (duas) horas de trator, para o corte de terra.



O que se observa é que a administração construindo e inovando, através desse prefeito hilário, sem qualquer compromisso com a agricultura, não disponibilizou os tratores para o tão esperado corte de terra. Exemplo são as comunidades de Boqueirão, tabuleiro, Riacho Preto, Santana, Arapuá, dentre outras.



Considero o Programa como um dos maiores, ou talvez o maior Programa de alcance social e econômico em nosso município. O programa inicia-se primeiramente pelo cadastro de pessoas, titulares de terras, que desenvolve suas atividades agrícolas nas respectivas terras. Depois vem a contratação de máquinas (tratores) e depois vem o corte de terras nas comunidades rurais.



Saliente-se que o Governo do Estado e a Petrobras, celebraram convenio para a distribuição das sementes e a Petrobras disponibilizou 190 mil litros de óleo diesel que deve ser utilizados nos tratores cedidos pelos municípios pelo Governo Federal. Todavia, nos 04 (quatro) cantos do município o que se ver é os agricultores, pais de famílias reclamando que não foram beneficiados com o corte de terras.



Contudo, este meio de comunicação se compromete de continuar vigilante a essas situações, e ao mesmo tempo levar ao conhecimento de todos, bem como usar este espaço para coibir os desmandos praticados pela administração construindo e inovando.